quarta-feira, 21 de março de 2012

Sebrae, fica a dica.

Fiquei bem feliz ontem enquanto procurava um palestrante sobre sustentabilidade. Procurei alguns locais e mandei e-mails, despretensiosa e sem qualquer expectativa de retorno. Inclusive em um deles o preenchimento foi pelo site. E qual foi minha surpresa? Obtive duas respostas, positivas ainda por cima!


Em uma delas a rapidez, agilidade e disposição do Sebrae me surpreenderam. A pessoa responsável me respondeu indicando palestrantes aleatórios e ainda, se eu preferisse profissionais do próprio Sebrae para entrar em contato com outra pessoa, que já estava em cópia do e-mail! Quando, na vida, que a gente recebe uma resposta tão prestativa? 


Na sequência também entrei em contato com a pessoa em cópia, que me respondeu de imediato. Porém, não poderia atender minha solicitação, já que não havia palestrantes gratuitos, mas que eles possuem um programa de capacitação, chamado Relatório de Iniciativa Verde, no qual eles subsidiam 80% do curso! Sim, eu li três vezes até acreditar: 80% do curso!!!! 


Adorei e aposto que milhares de pessoas por aí precisam de qualquer tipo de cursos de capacitação para as empresas, mas não sabem que há sim, alguém que possa ajudar. 


A outra instituição que se mostrou bastante prestativa foi o Instituto Humanitare. Fica aqui a dica e a alegria de que pelo menos alguma coisa dá certo neste país... 

quarta-feira, 14 de março de 2012

Na melancolia das saudades

Hoje acordei com saudades. Saudades melancólicas, do que não volta mais, do tempo passado, vivido e aproveitado. Do vento na cara em um certo lugar bem distante daqui, do clique abusivo de uma máquina fotográfica, de andar sem rumo por aí. Da bolinha de pêlo correndo pra cá e pra lá, da carinha sorrindo com o cabelo fuá, do chá de maçã com canela nas tardes frias das férias. 


Saudades de dançar ouvindo aquela música tocar, saudades do muito antigo e do nem tanto assim, saudades da trança comprida e do trabalho que dá. Da troca de estojos, do enroladinho da cantina e de não ter com que se preocupar. 


Saudades do experimentar, do planejar, do relaxar e do aproveitar. Saudades da cocadinha e da cobertura do bolo na batedeira, saudades de poder ir sem se preocupar, saudades do ficar sem ter hora pra ir. Do gritar e nem se importar quem vai ouvir, de caminhar mais longe, de não precisar dirigir. 


Saudades das incertezas e de saber o que vem por aí. Saudades do mundo menor e de não conhecer ninguém dali. Do sorvete de melão e do passear pela mão. Da ingenuidade do sorrir e da cadeado que guardava todas as nossas lembranças...