segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Jogando no Google

Em um momento ocioso da vida, sem nada para fazer, resolvi me jogar no Google. Quem nunca fez isso? É engraçado e ao mesmo tempo assustador. As pessoas pode descobrir muito da sua vida por lá. Aproximadamente 404 resultados! Óbvio que a maioria não "falam" sobre mim. São apenas referências de alguém com o nome parecido com o meu, mas fala sério, quem é o maluco que coloca o nome do filho de Ciberi???

Muitos dos resultados são daqui, deste blog, outros de comentários que fiz em outros blogs, alguns são releases da minha época de assessoria e uma matéria que dei entrevista para uma amiga na faculdade quando ela trabalhava no IG. Encontrei também muitos textos dos freelas que fiz esse ano para as Revistas Donna e Baby & Cia. O pior foi que não os encontrei no site da revista, eles estavam por aí, em portais, em blogs, em sites tipo "bancodesaude.com.br". Ou até mesmo no blog "salvemasnossascrianças.com". Como que pode esse povo todo "pegar"as matérias dos outros e simplesmente publicá-las?

Não entendo muito da lei de imprensa, mas acredito que esse tipo de coisa deve ser proibido em algum artigozinho lá. O bom é que eles acabam dando o crédito e meu nome pelo menos fica como sendo a autora da matéria.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Conveniente a tal da taxa...

Sempre tive o pé atrás com a Ticketmaster e empresas similares. Já tive problemas, já liguei 300 vezes no mesmo dia e ninguém atende, já mandei e-mail, já perdi a razão. Enfim, não concordo com a política de taxa de conveniência a ser paga mediante os ingressos. Acho uma taxa extremamente abusiva, mas o nome é realmente o ideal para ela: taxa de conveniência. Conveniente não ter que sair de casa, não pegar trânsito, não pagar estacionamento, não pegar filas.

Taxa conveniente porém injusta, devido a alta porcentagem. Injusta também a pré-venda restrita a clientes de tal bandeira de cartão. Injusta e contornável, fui obrigada a fazer um Mastercard. Por isso sou a favor das carteirinhas falsas, pelo menos é uma maneira de "compensar" a tal da taxa.

Mas, sem desviar do assunto, vim na verdade, elogiar A Tickets For Fun (que deve ser a mesma coisa que a Ticketmaster, já que o site é redirecionado). Comprei ingressos para amanhã, eles não chegaram na minha casa e eu jurava que tinha escolhido Sedex. Enviei um e-mail, já que sabia que o SAC deles é impossível. Para a minha surpresa, o e-mail foi respondido em menos de 5 minutos! Com uma resposta plenamente satisfatória! Meus ingressos foram inseridos na "nova tecnologia ShowPass da Mastercard" e eu deveria apenas apresentar meu cartão na entrada. Além disso, me informaram o telefone do SAC, no qual eu poderia entrar em contato de segunda a sábado em horário comercial.

Fiquei impressionada com o pronto atendimento. Ah se mais outras empresas fossem assim... não teríamos tanto stress e dor de cabeça. Mas ainda me fica a dúvida... Será que eu paguei pelo Sedex? Pois no histórico de compras disponível no site só aparece valor total dos ingressos, sem a taxa de conveniência e sem o Sedex. Tá aí, pessoal da Tickets 4 Fun, vamos melhorar esse site!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

A idade de ser feliz - Mário Quintana

Existe somente uma idade para a gente ser feliz, somente uma época na vida de cada pessoa em que é possível sonhar e fazer planos e ter energia bastante para realizá-los a despeito de todas as dificuldades e obstáculos. Uma só idade para a gente se encantar com a vida e viver apaixonadamente e desfrutar tudo com toda intensidade sem medo nem culpa de sentir prazer.

Fase dourada em que a gente pode criar e recriar a vida à nossa própria imagem e semelhança e vestir-se com todas as cores e experimentar todos os sabores e entregar-se a todos os amores sem preconceito nem pudor. Tempo de entusiasmo e coragem em que todo desafio é mais um convite à luta que a gente enfrenta com toda disposição de tentar algo NOVO, de NOVO e de NOVO, e quantas vezes for preciso. Essa idade tão fugaz na vida da gente chama-se PRESENTE e tem a duração do instante que passa...